Fórum de discussão acerca da questão Palestina.

Pesquisa personalizada

Palavras chave

Últimos assuntos

» Israelense atropela menino palestino
Seg Out 11, 2010 7:18 pm por Alef

» Ontem e hoje (o sionismo de Israel comparado ao massacre nazista, em fotos)
Ter Out 05, 2010 6:00 pm por Alef

» palavras de origem arabes no vocabulario portugues
Ter Jun 01, 2010 7:20 pm por PLivre

» Ligaçao de Portugal com o medio Oriente
Ter Jun 01, 2010 7:19 pm por PLivre

» Como se chama as laranjas no medio Oriente Sabe ?
Ter Jun 01, 2010 7:18 pm por PLivre

» Fatima - em Portugal
Ter Jun 01, 2010 7:16 pm por PLivre

» Terroristas?
Ter Jun 01, 2010 7:14 pm por PLivre

» Festa da cultura árabe em Campinas - SP
Sab Dez 05, 2009 1:50 pm por Vitor mango

» O valor do vossom Forum Palestina
Seg Nov 30, 2009 1:53 pm por PLivre

Visitas

Free counter and web stats

    Palestinos receberão US$ 4,481 bi, mas dinheiro não ficará com Hamas

    Compartilhe
    avatar
    PLivre
    Administrador
    Administrador

    Número de Mensagens : 209
    Localização : Brasil-Rio Grande do Sul
    Data de inscrição : 28/01/2009

    Palestinos receberão US$ 4,481 bi, mas dinheiro não ficará com Hamas

    Mensagem  PLivre em Qua Mar 04, 2009 6:04 pm

    Palestinos receberão US$ 4,481 bi, mas dinheiro não ficará com Hamas

    Jorge Fuentelsaz.

    Sharm el-Sheikh (Egito), 2 mar (EFE).- Mais de 70 países reunidos hoje na cidade egípcia de Sharm el-Sheikh anunciaram que financiarão a economia palestina e a reconstrução de Faixa de Gaza com US$ 4,481 bilhões, mas deixaram claro que o dinheiro não vai parar nas mãos do Hamas, o grupo que controla o território palestino desde junho de 2007.

    A conferência, realizada hoje, acontece após a trégua assinada por Israel e o Hamas, movimento palestino não reconhecido pela Comunidade Internacional.

    O Exército israelense realizou uma ofensiva militar contra Gaza entre 27 de dezembro e 18 de janeiro, deixando mais de 1.400 mortos e perdas materiais avaliadas em US$ 1,9 bilhão.

    A secretária de Estado americana, Hilary Clinton, resumiu a ideia de grande parte dos reunidos hoje no Egito sobre este grupo islâmico.

    "O Hamas não é um país, é uma entidade que tem de entender quais são os princípios de qualquer compromisso, não só para os Estados Unidos, mas também para o Quarteto para o Oriente Médio, formando também por União Europeia (UE), ONU e Rússia, assim como para a Liga Árabe", afirmou.

    "Há certos princípios que o Hamas tem de adotar para que qualquer um de nós se comprometa com ele: reconhecer Israel, renunciar à violência e aceitar os acordos assinados anteriormente pela Organização para a Libertação da Palestina (OLP)", disse.

    Todos os países mostraram esperança e otimismo desde que o Hamas acertou, na quinta-feira passada, um Governo de união nacional com seu principal rival, o movimento nacionalista Fatah.

    O líder do Fatah, Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), recebeu todo o apoio da Comunidade Internacional em detrimento do grupo islamita.

    "Pude perceber que há uma vontade (do Hamas) de trabalhar pela reconciliação palestina", comentou o ministro de Exteriores espanhol, Miguel Ángel Moratinos, em suas conclusões após várias reuniões com dirigentes árabes.

    Os reunidos também acertaram que não serão criadas novas ferramentas para a distribuição das ajudas e, o primeiro-ministro palestino da ANP, Salam Fayyad, que só exerce seu Governo sobre a Cisjordânia, anunciou um acordo com 10 bancos da Faixa de Gaza a fim de outorgar créditos para a reconstrução.

    Mas esse dinheiro não passará pelas mãos do Hamas, uma organização considerada um grupo terrorista pelos EUA e a UE.

    No comunicado final aprovado após a conferência e lido pelo ministro de Exteriores egípcio, Ahmad Aboul Gheit, a Comunidade Internacional defende o diálogo entre os palestinos e pede a Israel a reabertura das fronteiras de Gaza, que estão bloqueadas desde que o Hamas assumiu o controle do território em junho de 2007.

    Alguns países, como a Noruega, foram mais longe e asseguraram que Israel deve encarar sua responsabilidade pela destruição da Faixa de Gaza e garantir que não voltará a destruir a infraestrutura recuperada com a ajuda internacional.

    No entanto, Hillary, que afirmou que a criação de um Estado palestino junto ao israelense não está apenas em seu coração, mas em sua agenda, questionou como Israel deve responder ao lançamento de foguetes por parte do Hamas.

    O presidente francês, Nicolas Sarkozy, se expressou com clareza sobre este assunto, e assegurou que "hoje, assim ontem, não há uma solução militar para Gaza".

    Não foram elaboradas iniciativas políticas no encontro, mas a Comunidade Internacional voltou a pedir a realização de uma conferência de paz. Além disso, os países reunidos destacaram a solidariedade mundial com o povo palestino.

    Agora, todos apostam suas fichas em uma reconciliação entre Hamas e Fatah para poder criar um Governo de união nacional sob o comando de Mahmoud Abbas, o que poderia servir como primeiro passo rumo a uma paz mundial.

    A bola agora parece estar com o Hamas. Todos os planos anunciados hoje dependem da cooperação do movimento palestino e da aceitação das exigências apresentadas por Hillary.

    No entanto, o Hamas insiste em que não reconhecerá Israel e não pretende abandonar a luta armada pela libertação de todos os territórios palestinos.

    O diálogo interpalestino que está previsto para começar no Cairo, no dia 10 de março, servirá para mostrar o que ficará pendente após a reunião de hoje. EFE

    LINK: http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1024561-5602,00-PALESTINOS+RECEBERAO+US+BI+MAS+DINHEIRO+NAO+FICARA+COM+HAMAS.html


    _________________
    Participe do fórum!
    Mande suas críticas ou segestões!

    http://palestina.forumeiros.com/criticas-e-sugestoes-f7/

      Data/hora atual: Dom Nov 18, 2018 5:36 pm