Fórum de discussão acerca da questão Palestina.

Pesquisa personalizada

Palavras chave

Últimos assuntos

» Israelense atropela menino palestino
O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”? EmptySeg Out 11, 2010 7:18 pm por Alef

» Ontem e hoje (o sionismo de Israel comparado ao massacre nazista, em fotos)
O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”? EmptyTer Out 05, 2010 6:00 pm por Alef

» palavras de origem arabes no vocabulario portugues
O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”? EmptyTer Jun 01, 2010 7:20 pm por PLivre

» Ligaçao de Portugal com o medio Oriente
O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”? EmptyTer Jun 01, 2010 7:19 pm por PLivre

» Como se chama as laranjas no medio Oriente Sabe ?
O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”? EmptyTer Jun 01, 2010 7:18 pm por PLivre

» Fatima - em Portugal
O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”? EmptyTer Jun 01, 2010 7:16 pm por PLivre

» Terroristas?
O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”? EmptyTer Jun 01, 2010 7:14 pm por PLivre

» Festa da cultura árabe em Campinas - SP
O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”? EmptySab Dez 05, 2009 1:50 pm por Vitor mango

» O valor do vossom Forum Palestina
O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”? EmptySeg Nov 30, 2009 1:53 pm por PLivre

Visitas

Free counter and web stats

    O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”?

    PLivre
    PLivre
    Administrador
    Administrador

    Número de Mensagens : 209
    Localização : Brasil-Rio Grande do Sul
    Data de inscrição : 28/01/2009

    O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”? Empty O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”?

    Mensagem  PLivre em Sex Fev 27, 2009 9:58 pm

    O que eles temem? Ser levados ao “Tribunal de Nuremberg”?

    “Tenho medo por Israel e Israel me dá medo.”
    Marek Halter, escritor e pintor judeu francês, sobrevivente do Holocausto

    por Gershon Knispel, de Israel

    Em 9 de novembro, descendo do avião, senti que algo não estava certo. Nos televisores do aeroporto de Tel Aviv, davam sem parar notícias sobre as quedas dos Kassams, foguetes caseiros das milícias palestinas, sempre em lugares abertos, com pouca destruição. Falava-se das ameaças aos assentamentos judaicos nos territórios ocupados, usando-se o novo nome, “assentamentos e cidadelas cobrindo Gaza” – de fato a cercavam. As manchetes se referiam à fuga dos habitantes de Ofakim, Shderot e outras cidades, no raio de até 40 km, alcance dos Kassams.

    “Será que isto é a resposta eufórica dos militantes do Hamas e da Jihad Islâmica à nossa retirada da Faixa de Gaza? Tudo que queremos é a paz”, diziam as manchetes israelenses.

    Me lembrei da frase do dramaturgo alemão Bertolt Brecht, antes da II Guerra Mundial: “Quando eles falam de paz, prepara-te para a guerra.” As rádios matraqueavam frases e hinos patrióticos que sempre se usa para preparar o público para o pior. Os comentaristas sugerem intervenção imediata “para deter esses ataques de Gaza”, “para destruir a infraestrutura e para liquidar a liderança política do Hamas a qualquer preço”.

    Mas não saem da ordem do dia os resultados das pesquisas sobre as intenções de voto com vista às eleições antecipadas para meados de fevereiro. Bibi Netanyahu, líder do Likud, exige o retorno das forças israelenses para Gaza e já mais que dobra as intenções de voto, de 17 para 36 cadeiras. As manchetes prosseguem:

    “Barak continua a levar seu Partido Trabalhista a um desastre sem precedentes”, pois de maior partido, desde a fundação de Israel, pode ficar em sexto lugar, com 7 a 8 cadeiras. Os conselheiros de Barak dizem:

    “Ele deve parar de aparecer como indeciso e, ao contrário, agir firmemente em Gaza.”

    Tzipi Livni, ministra do Exterior, herdeira de Ehud Olmert, primeiro-ministro forçado a renunciar acusado de corrupção, tenta sobreviver, igualmente ameaçada pela subida de Netanyahu. E Olmert ainda goza algumas semanas como chefe do governo, até o fim das eleições: não precisa mais se responsabilizar, sua carreira política foi cortada e, como se diz em Israel, “pode andar na chuva sem se molhar”, falando em devolver os territórios palestinos em troca da paz, de um lado, e de outro correr o risco de ser lembrado na história como principal responsável pelo fiasco da Segunda Guerra do Líbano, para fazer mais adiante um retorno triunfal por causa da blitzkrieg da Operação Chumbo Fundido.

    A indústria da comunicação trabalhou de maneira fantástica. Amigos meus muito próximos de mim no combate contra a ocupação agora protestam contra mim com emoção:

    “Podemos ficar calados vendo essas chuvas de Kassams que jogam sem parar sobre cidades? Eles precisam aprender a lição de uma vez por todas.” Respondi: “E vocês? Aprenderam a lição?”

    LINK: http://carosamigos.terra.com.br/nova/ed143/gaza.asp


    _________________
    Participe do fórum!
    Mande suas críticas ou segestões!

    http://palestina.forumeiros.com/criticas-e-sugestoes-f7/

      Data/hora atual: Sab Ago 17, 2019 5:33 pm